Entrevista com Marcelo Trekinho Interview


Marcelo Trekinho Was born in Rio de Janeiro and lived in Recreio until whe was 8 years old. He moved to Leblon where he learned to skate and started surfing at 12. At 15 he began competiting, and while 6 years old he made his fist trip to Hawaii. He has returned to the North Shore every year since. By 18 years old he finished high scholl and then did everything possible to become a pro surfer. 

At 19 he became profissional, but only after winning the Maresias event of the Brazilian tour three years later did he become recognized. There he scored three perfect 10s in the same competition.

The nickname Trekinho (small stuff) came from the time when he used to skate on the strees of Leblon. All his friends were older and he was the smallest of the crew. One his friends called him Treko nand it Stuck. 

He had a few local surfers as his mentors, such as Beto Cavallero, Ze Roberto, Vini, and Spirro, but his great here of all time was Shane Dorian. Treko used to watch Shanes surfing, go out and try make his style just like Shanes.



M&S: Do you plan to continue as freesurfer or plan to return to the World Tour?
Trekinho: I will continue this year as a free surfer. I attend events in tow and tow out.

M&S: What did you think of the world event back to Rio?
Trekinho: The circuit around Rio is amazing. Our chance to see what is most modern in the surf.

M&S: What are your favorite surf films?
Trekinho: Surf films like the series "Cambito". All of the Mellin surfilms and all of Taylor Steele.

M&S: What are your favorites surfers?
Trekinho: Shane Dorian, Binho Nunes, Medina.

M&S: Do you think Brazil has never been so close to a world title now emerging with Gabriel Medina?
Trekinho: Medina will be world champion sometimes.

M&S: What about the chances of being world champion Adriano?
Trekinho: Adriano did a great job showing what can be champion. Do not think he will win the title, but it definitely changed the way the Brazilians towards the title.

M&S: Have you traveled around the world. How do you see the differences between localism in Hawaii, Australia and Brazil?
Trekinho: Localism is everywhere. There are bags by Australia, Brazil and United States. Reach with respect and wait your turn in the water is a good solution tocatch waves in peace.

M&S: Have you guys a musical cue that ties in Music and Surf ...
Trekinho: MC Fox and Dedeco of dibob "Emprego Novo". Rock mixed with "forró" and the letter is too much.

M&S: You develop a social project connected to surfing?
Trekinho: Every year I participate in VQS. Volcom event for kids with free registration. The prize money is very good and we contest on the beach all day withthe kids. We exchanged ideas and has already launched various talents as Medina and. Miguel Pupo and others have raced the event and are what they are today.



Marcelo Trekinho nasceu no Rio de Janeiro e morou no Recreio até os 8 anos onde aprendeu a andar de skate o começou a surfar com 12 anos. Aos 15 começou a competir e aos 16 viajou pro Hawaii pela primeira vez onde sempre voltou em todas as temporadas. Terminou a escola e fez de tudo o que pode para iniciar sua carreira como surfista.

Aos 19 anos se profissionalizou, mas só entrou realmente no cenário das competições após vencer seu primeiro evento como profissional em Maresias no ano de 2002. Lá conseguiu um feito inédito ao tirar três notas 10 durante o último dia do evento.

O apelido Trekinho veio da época em que andava de skate nas ruas do Leblon. Seus amigos eram todos mais velhos e ele era o menor da turma. Um dos seus amigos o chamou de Treko e o apelido ficou.

Teve como referência os locais do Leblon Beto Cavallero, Zé Roberto, Vini, Spirro e seu grande ídolo o havaiano Shane Dorian. Treko costumava assistir aos vídeos de Shane e depois ir pra água imitar seu estilo.



M&S: Você pretende continuar como freesurfer ou pensa em voltar ao World Tour?
Trekinho: Vou continuar como free surfer esse ano. Devo participar de eventos de tow in e tow out.

M&S: O que você achou da volto do evento mundial para o Rio?
Trekinho: A volta do circuito ao Rio é sensacional. Nossa chance de ver o que há de mais moderno no surf.  

M&S: Quais são seus filmes de surfe preferidos?
Trekinho: Filme de surf gosto da série Cambito. Todos do Mellin e todos do Taylor Steele.

M&S: Quais são seus surfistas preferidos?
Trekinho: Shane Dorian, Binho Nunes, Medina. 

M&S: Você acha que o Brasil nunca esteve tão perto de um título mundial agora com o Gabriel Media despontando? 
Trekinho: Medina será campeão do mundo algumas vezes. 

M&S: E quanto as chances do Mineirinho ser campeão mundial?
Trekinho: Mineiro fez um grande trabalho mostrando que pode ser campeão. Não acho que ele ganhará o titulo, mas definitivamente mudou o trajeto dos brasileiros rumo ao título. 

M&S: Você já viajou por todo mundo. Como você vê as diferenças entre o localismo no Havaí, Australia e no Brasil?
Trekinho: Localismo tem em todo lugar. Há pela sacos Australianos, Brasileiros e Americanos. Chegar com respeito e esperar sua vez na agua é uma boa solucao pra pegar ondas em paz. 

M&S: Dê uma dica musical pra galera que se amarra em Música e Surf...
Trekinho: Mc Fox e Dedeco do dibob no som Emprego Novo. Misturaram forró com Rock e a letra é demais. 

M&S: Você desenvolve algum projeto social ligado ao surfe?
Trekinho: Todo ano participo do VQS. Evento da Volcom com inscriçãoo gratuita pra molecada. A premiacao é muito boa e fazemos gincana na praia o dia todo com os moleques. Trocamos ideias e já lançamos vários talentos como o próprio Medina. Miguel Pupo e outros já correram o evento e hoje são o que são.